Oz – Mágico e Poderoso

por Luis Galvão

Mais preocupado com o visual do que com o roteiro, Sam Raimi tentou, em vão, trazer o prelúdio do clássico. Não consegue tal proeza e não acrescenta em nada a narrativa inicial, causando desconforto para quem já conheceu outras origens paralelas da Bruxa Má do Oeste que não foi uma maçã verde (me refiro aos contos de Wicked, esse com um roteiro muito melhor e que espera sua hora para ser adaptado). O macaco voador talvez seja o elemento mais significativo em um longa que prometeu por sua exuberância e só entregou um Alice de Tim Burton piorado.

Oz – The Great and Powerful (dir. Sam Raimi) ★★