The Master

por Luis Galvão

Em uma vida justa, Joaquin Phoenix ganharia qualquer prêmio. Seu trabalho da redenção de um homem atormentado pela guerra para um ativista da Causa é a mais incrível transformação do cinema. Paul Thomas Anderson, esperto que é, ainda manteve ao seu lado Seymour Philip Hoffman, o maior de sua geração.

O Mestre, porém, não me conquistou como Sangue Negro e talvez seja o trabalho mais complicado do diretor. Difícil de ingerir por completo, cheio de relações causais e um personagem complexo até demais, com nuances variadas e uma composição que ao final me intriga.

The Master (dir.  Paul Thomas Anderson) ★★★1/2