Les Misérables

por Luis Galvão

Um espetáculo de salta os olhos e invade a alma. Um musical hermético dos palcos, vislumbrado por um modelo à altura para as telas e que, na tentativa de entreter, escalou atores entregues aos personagens ao mesmo tempo que coloca grandes figuras que já passaram pelos palcos em pequenas participações (reconheci Wilkinson, Rufelle,  Galloway, Secome e até Fleetwood). Essa ópera trágica tenta transcender ao mesmo tempo que prende com afinco uma verossimilhança narrativa. Talvez não seja o que o público espere, mas é o  que Os Miseráveis pedia.

Les Misérables (dir. Tom Hooper) ★★★★