O Preço do Amanhã

por Luis Galvão

Pelo breve histórico, percebe-se que o nome que mais chama a atenção em O Preço do Amanhã é mesmo o do dirretor/roteirista Andrew Niccol. E dele não se pode esperar tramas simples.

Um tal momento na história da humanidade em que o tempo se torna, literalemente, dinheiro, se tornou em uma grande premissa que é jogada fora em detrimento de um jogo de gato e rato típico. E todas as jogadas que poderíam ser cartas na manga do diretor, se parecem mais como tiradas piegas com direito a no meio de um jogo de pôker, o ator principal solta um ‘Salas, Will Salas’ que não tirei da mente durante todo o filme. Uma pena.

O Preço do Amanhã de Andrew Niccol