o vencedor

por Luis Galvão

image Quando Wahlberg entregou o projeto de The Fighter nas mãos do O. Russell, provavelmente não imaginava que o diretor sem periodicidade iria realizar uma obra tão particular. E assim como seu personagem, Wahlberg também fica meio perdido em um filme com várias boas atuações ao seu redor e preza por manter uma regularidade exata, deixando o caminho livre para outros aspectos relevantes.

A câmera propõe enquadramentos com marcas próprias e simbolismos disfarçado, mesmo que siga um roteiro bem formal. No final, vemos que não se trata de um filme sobre boxe, luta ou ascensão/declínio de astros, mas sobre relacionamentos entre irmãos, mães e esposas.

E quem assistiu O Operário, sabe que esse não é o melhor trabalho do Bale, mesmo que ele esteja muito bem, mas ofuscado por Melissa Leo e suas sete filhas. Mais um nocaute certeiro de Russell no oitavo round. [3/5] MUBI