as crônicas de nárnia | 2005, 2008, 2010

por Luis Galvão

imageA série ‘infantil’ de livros de C. S. Lewis já levantou críticas mais crueis sobre o teor religioso que o autor colocou inconscientemente na obra, mas a adaptação caiu muito bem na produção da Disney, uma vez que o lado moralista foi extremamente trabalhado. Deixando de lado esse aspecto, todo resto se desenvolve para agradar seu público alvo com bichos falantes, rainhas maléficas e fugas. O destaque, porém, vai para adaptação milimitricamente fiel ao livro, sem nenhum novo aspecto trabalhado. [2/5] IMDB

 

imageA continuação foi muito menos rentável financeiramente que a primeira, porém com mais qualidades cinematográficas. Se os arcos dramáticos do Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa se voltavam estritamente para os irmãos (agora muito mais velhos), O Príncipe de Caspian apresenta novos personagens e afirma que a série não precisa ficar restrita a determinados personagens principais para funcionar. Os aspectos técnicos bem realizados pela Disney estão lá e os valores morais também. E, talvez o mais importante de Nárnia até agora, funciona isoladamente, características de grandes séries. [3/5] IMDB

 

imageFincando que a série não ficou refém de personagens e sim de aventuras no mundo de Nárnia, a transferência para outro estúdio não prejudicou muito o trabalho técnico. Isso facilitou as viagens episódicas que são vistas no filme, já que não existe um grande arco de uma produção para outra. As lições éticas começam a irritar, mas a aventura não deixa de ser legal. A Viagem do Peregrino da Alvorada tem pontos fortes, mas não consegue o equilibrio entre aventura e moralismo que o segundo filme conseguiu. Ficando na mente a pergunta se os outros filmes serão realizados, já que a jornada dos quatro irmãos (que só dois embarcam dessa vez) parece está esgotada. [2/5] IMDB