Um Jogo de Vida ou Morte | 2007

por Luis Galvão

imageDuas grandes atuações nessa adaptação da peça vencedora do Tony. Tudo parece filmado em um gigante teatro de vários níveis. Uma mansão meio vanguardista de um famoso escritor que é palco para um debate entre dois ingleses no seu mais típico caso: lutando pela mesma mulher (que em nenhum momento aparece no longa). Michael Caine incorpora com vividez a mente brilhante do escritor de suspenses policiais e parece realizar com o outro cavalheiro-ator (Jude Law, sensacional) um laboratório para seus futuros escritos, forjando o assalto de suas jóias e logo em seguida revelando suas verdadeiras intenções. Em trinta minutos essa trama inicial é solucionada, mas aí entra outro grande truque na manga do diretor (que é mérito original da obra). Reviravolta incrível e bem bolada.

A chave de tudo está em quem tem o ‘poder’ nos três rounds em que o filme se divide. Ora um, ora outro e no final parece que ambos o perderam. O jogo da câmera muitas vezes não mostra os acontecimentos e nós só tomamos conhecimentos deles pelo diálogo feroz criado. Tanto Jude quanto Michael estão em momentos brilhantes segurando a tensão até a última revelação. Um pequeno achado para fãs de play e não se incomodam com o clima teatral incorporado. Pena um título brasileiro tão desanimador. (SLEUTH, de Kenneth Branagh\ 2007, Inglaterra, , 88’) ||||