III Janela Internacional de Cinema do Recife (part. 2) – Curtas Internacionais

por Luis Galvão

Um curta fantasioso que sabe unir bem alguns elementos alternativos e mesclar a utilização de uma técnica de desenho em vidro com a narrativa pessoal da própria diretora. Poucos minutos, porém. (TAD’S NEST, de Petra Freeman / Inglaterra, 2009, 5’, cor, digital) |||

Monólogo filmado com força e interpretado melhor ainda  por Maria Villa que vive uma mulher recém-abandonada que se tornar uma praga na vida do antigo amor. Loucura na medida exata para um curta que poderia – muito bem – se tornar um longa, uma vez que algumas pontas não são fechadas facilmente. (CYNTHIA TODAVIATIENE LAS LLAVES (Cynthia Ainda Tem as Chaves), de Gonzalo Tobal / Argentina, 2010, 25’, cor, digital) ||||

A força de uma verdadeira amizade que uni alguns antigos amigos em volta de uma mesa após a morte de um deles. Os gestos, aqui, são tratados como próprios diálogos, já que cada close em cada personagem reflete melhor que diálogos sobre a falta e os outros mais variados sentimentos que a falta de um amigo proporciona. Identificação total. (FRENCH COURVOISIER, de Valérie Mréjen / França, 2009, 15’, cor, 35mm) ||||

Um resgate de arquivos de filmes palestinos. Alguns depoimentos bem filmados, outra fotos recuperadas. Enfim, cria um bom mosaico sobre um local que realmente foi transformado com o tempo.(FOR CULTURAL PURPOSES ONLY (Apenas Para Fins Culturais), de Sarah Wood / UK, 2009, 9’, cor e p&b, digital) |||