Quincas Berros D’Água (2010)

por Luis Galvão

quincas

três estrelas

Jorge Amado, um dos maiores símbolos da literatura brasileira, já foi adaptado para os mais diversos meios. Desde o sucesso imbatível de ‘Dona Flor e Seus Dois Maridos’ até a minissérie ‘Tenda Dos Milagres’, o escritor tem um vasto acervo de adaptações. Mas, assim como suas obras, elas se alternam entre comédias de costumes regionais e outras com um pequeno teor político embutido. Poucas, porém, conseguiram captar a verdadeira essência narrativa do mestre. O diretor , chegou bem perto. Quincas é uma espécie de símbolo da boêmia baiana e, após sua morte, é carregado pelas ladeiras por seus fiéis amigos. Tem muitos amores e muitas dívidas terrenas, mas o dia da sua ‘redenção’ é comemorado com uma vivacidade singular.

É clara a escolha por uma narrativa bem tradicional, sem nunca tentar arriscar algo novo (até mesmo a narração de Paulo José é bem quadrada) e o longa se sustenta muitas vezes pelas ótimas atuações dos coadjuvantes boêmios. Marieta, Mariana e Irandhir são destaques, mas todos tem momentos excelentes, resultando em um obra bem equilibrada. Sem nunca obter um ápice necessário, a força do longa é sustentada basicamente pela perfeita caracaterização de Salvador – um dos grandes personagens do filme. Entre ser uma comédia de costumes ou uma crítica social, ‘Quinca Berros D’Água’ fica no meio termo e acaba sendo prejudicado exatamente por isso. Vamos esperar as futuras adaptações sendo produzidas para avaliar o saldo do ano em que Jorge Amado foi relembrado como um mestre que é.

(Quincas Berro D’Água, Brasil, 2010) Diretor/Roteirista: Sérgio Machado; Elenco: Paulo José, Marieta Severo, Mariana Ximenes, Milton Gonçalves, Othon Bastos, Walderez de Barros, Carla Ribas, Luisa Proserpio, Flavio Bauraqui, Irandhir Santos, Frank Menezes, Luis Miranda.