Brilho de Uma Paixão (2009)

por Luis Galvão

“Bright Star” poderia muito bem passar despercebido por qualquer sala de cinema uma vez que o romance épico inglês normalmente não é o tipo de programa nem para casais apaixonados. Porém, Jane Campion consegue produzir um roteiro tão singelo e delicado que é impossível resistir as quase duas horas de filme e embarcar no amor entre o poeta John Keats e sua vizinha Fanny. Talvez o grande mérito esteja na harmonia dos elementos utilizados no longa. Cenários, figurinos, trilha, fotografia e elenco (destaque claro para a Abbie), todos esses subsídios encontraram a forma perfeita de se encaixar na obra e transmitir cada sentimento necessário.

Pudera Keats ser um dos últimos poetas românticos ingleses, afinal, a natureza e seus elementos – assim como no movimento literário – tem importância para retratar esse estado de espírito dos personagens, chegando a atingir grandes cenas dramáticas sob a narração robusta e apaixonada dos poemas do escritor britânico. Talvez esse amor verdadeiro entre os dois tenha sido a maior fonte de inspiração do artista, ou exatamente o contrário. O importante é saber que não existe tempo ou local definido para que um casal compartilhe experiências, amadureça mutuamente e se ame, acima de tudo.

(Bright Star, Inglaterra, Austrália, França, 2009); Diretora/Roteirista: Jane Campion; Elenco: Abbie Cornish, Thomas Sangster, Ben Whishaw, Paul Schneider.