Fama (2009)

por Luis Galvão

fame

Entrando nessa onda de relançar clássicos, Fama chega num momento em que musicais estão em alta, jovens lotam salas de cinema procurando romance e a mistura de diferentes tipos de dança está na moda. Com isso tudo, a cerne que guiava a produção original foi esquecida e rejeitada para se adaptar a esses novos espectadores. Uma pena.

Jovens em uma Academia de Artes que sonham em ser famosos e se destacarem em um mundo competitivo. Isso pode ser visto no cinema desde ‘A Chorus Line’ (1985) até ‘Step Up’ (2006), nesse remake não vai ser diferente. Tem uma garota de voz potente que é obrigada pelos pais a ser pianista, tem um bailarino bom, mas não tanto para ser solista, tem ‘rapper’ pobre querendo ser alguém na vida, professores que incentivam alunos e outros personagens com problemas. Clichê puro, e diferente do longa-metragem modelo de 1980.

No antigo, temas delicados como homossexualidade, audições fracassadas com diretores aproveitadores, suicídio e gravidez são objetos de debates e análises – não tão boas, é verdade – mas pelo menos elas estão ali para dizer algo a mais. Acho que é isso que falta nesse, atitude e maturidade para mostrar aquilo que fez sucesso no passado. E não apenas remixar músicas e deixá-las com uma batida atual que agradará adolescentes da era ‘High School’.

O filme não é todo ruim, mas fiquei decepcionado de como eles viraram as costas para os dramas mais fortes e optaram por uma leitura superficial e imatura de problemas muitas vezes escondidos do público em geral. As músicas são legais, mesmo revisadas nos remetem aos clássicos, os atores desconhecidos têm algum talento e a direção que não aposta em nada novo fazem desse filme um gasto em vão. Ficar com o antigo é bem melhor.

5,5/10
Diretor: Kevin Tancharoen
Roteiristas: Allison Burnett, Christopher Gore
Elenco: Kay Panabaker, Walter Perez, Naturi Naughton, Asher Book, Bebe Neuwirth
Duração: 107 min
Anúncios