galvanismo

Mês: dezembro, 2011

The Help

Filmes com temáticas racistas existem aos bocados. Qual a diferença de filmes como A Cor Púrpura ou The Help fazerem tanto sucesso? Primeiro, o apelo à mudança. Em segundo, o roteiro cheio de metáforas atuais. E terceiro, um elenco fabuloso. Talvez por isso o filme de Tate Taylor e Steven Spilberg se aproximem tanto do sucesso de crítica e público.

Em Histórias Cruzadas, estamos nos Estados Unidos na época do racismo em cada palavra solta pelas donas de casa (aqui exemplificada pela personagem Bryce Dallas Howard – estupenda interpretação!) ressoam como tiros nas empregadas domésticas negras (Viola Davis e Octavia Spencer como as principais). Bem que chega Emma Stone – a típica personagem que volta depois de muito tempo com ideias vanguardistas – querendo escrever sobre a vida dessas domésticas. Muitos problemas, ameaças e situações engraçadas (principalmente por parte das donas de casas no melhor estilo anos dourados).

Com um roteiro fácil de digerir e personagens empáticos (o que dizer de Jéssica Chastain em mais uma ótima atuação no ano?) e tudo aquilo que o público quer ver, The Help é um filme correto que segue em linhas tranquilas para não arriscar cair no piegas. Tem uma direção de arte bem estruturada e um ar de filme didático que incomoda um pouco. No final das contas, acaba não desenvolvendo alguns dos vários personagens e termina como um típico filme americano de Natal, uma jornada, um desafio e uma lição. Se não fosse pelo elenco, nao sei o que seria.

Histórias Cruzadas de Tate Taylor

Lana Del Rey em Mulberry Session

O sucesso parece já está marcado. O nome de Lana Del Rey já é um dos mais comentados nesse final de ano e tem tudo para manter o hype até o verão e ser a estrela americana. Com ares oitentistas, platinada e lábios andróginos, Lana adotou o estilo Laura Bacall e fez sucesso. Sua primeira ‘aparição’ foi o lançamento nesse ano de Video Games, uma música no estilo ‘volta pra mim, please’ bem legal. A apresentação ao vivo do primeiro single pode ser vista abaixo e vocês podem tirar as próprias conclusões se Lana vai ou não, ser o sucesso de 2012. Potencial, ela tem.

A estréia oficial está marcada para dia 31 de Janeiro com a veiculação de Born to Die, o seu album que já causa burburinho de ansiedade.

Filmes 12’

imageCinco estrelas

Quatro estrelas

  • Carnage de Roman Polanski
  • Margin Call de J.C. Chandor
  • A Chave de Sarah de Gilles Paquet-Brennerr
  • O Espião Que Sabia Demais de Tomas Alfredson
  • Os Descendentes de Alexander Payne
  • As Aventuras de Tintim: O Segredo do Lincorne de Steven Spielberg
  • Estrada para Ythaca de Luiz Pretti, Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes
  • O Abrigo de Jeff Nichols
  • Cinema Verite de Shari Springer Berman, Robert Pulcini

Três estrelas

Duas estrelas

Uma estrela

Bomba

Melhores Seriados de 2011

TeeboxMazzucato-045

De fato, 2011 foi muito diferente de 2010. Não assistir tantos seriados quanto ano passado, mas conseguir acompanhar a maioria das premiações e sempre procurei atualizar as estréias. No geral, foram 31 seriados no ano. Bons e péssimos, poucos memoráveis. Alguns episódios geniais (muitas comédias me surpreenderam, por incrível que pareça), e outros foram decepções atrás de outras.

10. Park and Recreation; NBC

09. Amerrican Horror Story, FX

08. Damages; Audience Network

07. The Office; NBC

06. The Good Wife; CBS

05. Homeland, Showtime

04. Boardwalk Empire; HBO

03. Game of Thrones; HBO

02. Community; NBC

01. Treme; HBO

Melhores Filmes de 2011

TeeboxMazzucato-013

Sem tempo para as grandes premiações corriqueiras dos blogs (muitos que eu recomendo que vocês, leitores, acompanhem), listo os dez filmes que mais me surpreenderam no ano. Foram pouco mais de 170 filmes vistos – número muito inferior ao ano passado, devido à dificuldade de alinhar muitas coisas que estavam acontecendo na vida. Ao passo que você fica mais velho (tenho récem-completos 21 anos), os filmes passam a ser mais importantes na sua vida. É um cano de escape para os divesos problemas que aparecem e que insistem em habitar a mente por muito tempo.

01. Pina de Wim Wenders

Fazer um filme com a dança de fundo é fácil. Fazer um filme sobre dança, eu pensava ser impossível, até Wim Wenders realizar essa obra prima visual.

 

02. Cisne Negro de Darren Aronofsky

O mais falado. O mais comentado. Mesmo que o impacto, hoje, não seja o mesmo, a última cena, com Natalie Portman caindo, é a coisa mais bonita do ano.

 

03. Melancolia de Lars Von Trie

Junto com a cena de Black Swan, o impacto de Melancolia com a Terra é pura poesia visual.

 

04. Gainsbourg – O Homem que Amava as Mulheres de Joann Sfar

Delírios de um boêmio francês

05. Febre do Rato de Cláudio Assis

06. Um Lugar Qualquer de Sofia Coppola

O vazio de Coppola que preenche.

07. Super 8 de J. J. Abrams

 

08. Inquietos de Gus Van Sant

Mia Wasikowska e Henry Hopper formaram o casal do ano.

 

09. Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 de David Yates

10. Crítico de Kleber Mendonça Filho

Aqueles para serem lembrados: Cópia Fiel, A Árvore da Vida, Tio Boonme, Que Pode Recordar de Vidas Passadas, O Mágico, Drive, Riscado, Meu País, O Palhaço, Trabalhar Cansa, Um Sonho de Amor, Namorados Para Sempre, Bravura Indômita.